Presidente da Capes no governo FHC, professor Abílio Neves reassume o cargo

O professor Abílio Afonso Baeta Neves foi nomeado hoje (10) presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).  A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União. O professor volta a assumir a agência que presidiu de 1995 a 2003.

Baeta Neves é formado em ciências sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutor em ciência política pela Westfälische Wilhelms Universität, de Münster, na Alemanha. Também foi pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFRGS (1988-1992), secretário da Regional Sul da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), de 1994 a 1995, e secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (1996-2000).

Atualmente, ocupava o cargo de diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs), onde também já havia sido diretor-presidente e científico entre 1987 e 1990. O ex-presidente da Capes, Carlos Nobre, foi exonerado no último dia 7 de junho.

A Capes é uma fundação do Ministério da Educação (MEC), que tem como função a expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em todos os estados da Federação. Atua também na formação de professores da educação básica ampliando o alcance de suas ações na formação de pessoal qualificado no Brasil e no exterior.

Assim como Neves, outros nomes da gestão de Fernando Henrique Cardoso retornaram ao Ministério da Educação (MEC), entre eles, a secretária executiva Maria Helena Guimarães de Castro, que foi presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) entre 1995 e 2001, e a educadora Maria Inês Fini, atual presidenta do Inep. Entre 1996 e 2002, no governo de FHC, Maria Inês atuou no Inep como diretora de Avaliação para Certificação de Competências.

Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência é criticada na CDH

DAVID HARVEY: 9 LIVROS PARA DOWNLOAD

Violência nas escolas não é caso de polícia, afirmam especialistas