Governo da Venezuela se declara presidente pro tempore do Mercosul

Imagem: iela.ufsc.br
O governo da Venezuela proclamou-se Ontem (5) presidente pro tempore do Mercosul, ao içar a bandeira do bloco na capital, Caracas, e reiterou que Argentina, Brasil e Paraguai pretendem “tomar de assalto” o comando da associação em uma manobra que as autoridades locais consideram idealizada pelos Estados Unidos.


O bloco está “à beira de um abismo sem retorno”, advertiu a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, referindo-se ao mais delicado momento que o Mercosul enfrenta desde sua criação há 25 anos. De acordo com a diplomata, "a tripla aliança", formada pelos governos da Argentina, do Paraguai e interino do Brasil, "pretende, sem motivo, destruir um acervo histórico de união e integração". 

Foi nesse contexto que as autoridades venezuelanas içaram a bandeira do Mercosul em Caracas e anunciaram ter assumido plenamente a presidência do bloco, contrariando as resistências, expressas em caráter público e privado pela Argentina, pelo Brasil e pelo Paraguai.

"Estamos surpresos com a forma com que se pretende atropelar os tratados internacionais. As normas são muito claras: a presidência pro tempore corresponde de pleno direito à Venezuela", afirmou a chanceler em declaração pública. Segundo Delcy Rodríguez, existem forças econômicas interessadas “em implodir" o Mercosul.

No dia 29 de julho, o Uruguai deixou a presidência do Mercosul por ter concluído seu turno semestral de condução do bloco, que deveria passar para a Venezuela. Porém, a oposição da Argentina, do Brasil e do Paraguai levou ao cancelamento de uma cúpula de presidentes ou chanceleres, como é de praxe para essas transferências. Por essa razão, a Venezuela anunciou que assumia a presidência automática do bloco, mesmo sem o reconhecimento de seus sócios.

O assunto foi discutido quinta-feira (4) em uma reunião de coordenadores do Mercosul em Montevidéu sem que se chegasse a um acordo sobre o que fazer com a direção do bloco.

Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri; do Paraguai, Horacio Cartes; e o interino do Brasil, Michel Temer, teriam oportunidade de analisar o caso no Rio de Janeiro, onde se encontram nesta sexta-feira para a abertura dos Jogos Olímpicos, mas nenhuma fonte oficial confirmou a organização de um encontro entre os três chefes de Estado.

Fonte: EBC -  Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEC vai oferecer 80 mil vagas de residência pedagógica em 2018

Tiros em escola de Goiânia provoca pânico no Colégio Goyases

Parabéns professores!