Nova Anã Marrom é descoberta

Imagem
Nova anã marrom é encontrada pela NASA através de um projeto de astronomia amadora.
A Nasa mantém vários projetos e um deles é formalmente conhecido como WISEA J110125.95 + 540.052,8. O nome é estranho, parece mais uma senha boa para redes sociais, mas trata-se de um projeto onde voluntários ajudam na descoberta de novos corpos celestes.
Rosa Castro terapeuta durante o dia e astrônoma amador, se juntou ao projeto de ciência cidadã Backyard Worlds: Planet 9, financiado pela NASA (esse do nome estranho). Em sua casa, de noite, terminou seu jantar, abriu seu laptop, e descobriu um novo objeto que não era nem planeta nem estrela.  Ela iria se tornar um dos quatro voluntários para ajudar a identificar primeira anã marrom do projeto mantido pela Nasa.
Tem cerca de duas décadas desde que os pesquisadores descobriram as primeiras anãs marrons, e que a comunidade científica abriu os olhos para esta nova classe de objetos entre estrelas e planetas.
Embora sejam tão comum como estrelas e forma …

NOTÍCIAS FALSAS EM SALA DE AULA


Li uma notícia de que escolas americanas estão oferecendo aulas para ensinar alunos a separar as notícias falsas das verdadeiras e que um projeto de lei na Califórnia quer tornar essa uma disciplina obrigatória.

Sobre essa questão de criar mais uma disciplina para o currículo escolar sugiro a leitura de António Nóvoa sobre o transbordamento escolar, texto esclarecedor sobre a temática de inchaço das/nas escolas com temas que não necessariamente deveriam ser de competência exclusiva das instituições de ensino.


Na escola é possível e necessário discutir vários temas, este inclusive, para isso é possível criar um fórum na escola para se refletir sobre o assunto, criar eventos que possam dar condições para se ampliar essa discussão, mas isso deve ser uma decisão da escola e não do legislativo. Não fiquem legislando sobre o que a escola deve ou não desenvolver em seus currículos, essa é uma competência do professor, uma competência das escolas.

Sobre a questão das notícias falsas, não há dúvida que se trata de uma discussão importante e a escola que (em tese) trabalha com o conhecimento historicamente produzido deve sim estar atenta ao que é difundido nas mais variadas mídias, mas o que causa estranhamento é o fato da disseminação de que as notícias falsas possuem uma fonte quase que exclusiva, as redes sociais ou de forma mais alargada, a internet.

Um olhar menos atento, pode ter uma impressão equivocada. A impressão que se passa (ou que se quer passar) é que mídias tradicionais como revistas e jornais além, é claro, da televisão estariam isentas do risco (ou da intenção) de produzir as chamadas notícias falsas.

O grande paradoxo é que essa é outra notícia falsa. Nenhuma mídia está isenta de apresentar (involuntária ou voluntariamente) uma notícia falsa e a história recente da mídia nacional brasileira deixa isso muito claro. Há muitos exemplos de parcialidade no meio jornalístico nacional.

Em sala de aula

Como fazer a seleção ou como estabelecer um bom “filtro” sobre as notícias que nos chegam a todo o momento?

Essa não é uma tarefa fácil, mas algumas medidas podem ser tomadas para que as reproduções de notícias falsas não sejam tão frequentes e a primeira delas é estabelecer um conjunto de fontes confiáveis. Essa seleção demanda tempo e uma leitura crítica de todo o conteúdo disponibilizado, trata-se do estabelecimento de uma relação de confiança que o leitor estabelece em relação ao produtor de conteúdo.

As chamadas fontes primárias podem ser consideradas as melhores, pois essas fontes estão menos susceptíveis de contaminação por interpretação de terceiros, chegando ao consumidor de conteúdo de forma mais direta.

Um exemplo de fonte primária poderia ser dado utilizando a constituição do país. Ao invés de ler ou ouvir uma notícia sobre um determinado direito que todo o cidadão possui por intermédio de uma emissora de televisão, por exemplo, vá direto à fonte e tire suas próprias conclusões.

Outro exemplo de fonte primária pode ser os sites governamentais, os diários oficiais, etc. são eles os responsáveis por divulgar as primeiras notícias sobre o que ocorre, de fato, dentro de um determinado governo.

Diga-me o que você lê e eu te direi quem és.

E você caro leitor, já recebeu uma notícia falsa que acreditou, num primeiro momento, ser verdadeira? Já divulgou uma notícia sem saber que se tratada de uma notícia falsa? Você já sofreu com uma notícia falsa? Quais são suas principais fontes de informação?

Escreva suas respostas aqui nos comentários do blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corrente exagera ao comparar remunerações de professores e políticos

Nota da CNTE contra a BNCC

O desenvolvimento do Sahel