Brexit: uma relação terminada por carta


Imagem: Pixabay

Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, disse que invocará o povo britânico a se unir com ela para o início efetivo de um processo de dois anos até que o Reino Unido deixe definitivamente a União Europeia rompendo com uma relação política que já dura 44 anos.



Uma carta assinada pela primeira-ministra Theresa May será entregue em mãos ao presidente do Conselho Europeu - enquanto ela sobe em Westminster para entregar uma declaração aos deputados, sinalizando o fim da associação diplomática mais significativa do Reino Unido desde o final do segunda Guerra Mundial.


O grande desafio dessa saída história de um importante país de um dos mais importantes blocos econômicos mundiais é a manutenção da união nacional em relação à assumida posição de saída.

O Brexit respeita a decisão do público britânico, uma decisão democrática ainda não bem aceita por aqueles que opinaram pela continuidade do Reino Unido na União Europeia. A ação histórica que começou formalmente o processo Brexit, seguindo referendo de junho de 2016, continua a lançar velhas figuras políticas uns contra os outros como a ferocidade do debate mostra nenhum sinal de diminuir.

O Reino Unido vai mudar como resultado. A questão é como ... Não há como prever os resultados práticos dessa saída para o povo britânico, para os europeus e para o resto do mundo.

O que se sabe é que será considerado um grande fracasso nacional de proporções históricas se o primeira-ministra voltar de Bruxelas sem ter uma proteção assegurada de empregos e padrões de vida para o Reino Unido.

A primeira questão a ser colocada na mesa de negociação estará provavelmente ligada ao estatuto dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e cidadãos britânicos que vivem no continente, com alguns sugerindo que a primeira-ministra poderia definir 29 março de 2017 data da assinatura da saída como um dia de corte para quando as pessoas terão seus direitos protegidos.

No entanto, a primeira-ministra já recebeu avisos de que o Parlamento Europeu irá vetar qualquer acordo do Brexit que impeça os cidadãos da UE que se deslocam para o Reino Unido nos próximos dois anos de ter seus direitos protegidos.

Seja qual for a situação, a saída da Grã-Bretanha da UE é esperada para se consolidar até o final de março 2019, pondo fim a uma associação que remonta a Janeiro de 1973 e já foi aprovado pelo público em um referendo em 2016.

Alguns esperam que o Brexit ainda possa ser evitado se May falhar na elaboração de um acordo positivo para o Reino Unido o que poderia levar à uma derrota na próxima eleição geral.

Alguns especialistas em União Europeia, ao analisarem o artigo 50, dizem que o processo é reversível, embora o governo deixou claro que acredita que o “ponto de não retorno” para o Brexit já passou.

E você caro leitor? Qual sua análise sobre essa saída? Deixe nos comentários sua opinião. Vamos socializar! 😉

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia

Pesquisa mostra queda no interesse por cursos de licenciatura