Nova Anã Marrom é descoberta


Esta ilustração mostra que a anã marrom média é muito menor que o sol e as estrelas de baixa massa e apenas um pouco maior que o planeta Jupiter.
Créditos: NASA

Nova anã marrom é encontrada pela NASA através de um projeto de astronomia amadora.

A Nasa mantém vários projetos e um deles é formalmente conhecido como WISEA J110125.95 + 540.052,8. O nome é estranho, parece mais uma senha boa para redes sociais, mas trata-se de um projeto onde voluntários ajudam na descoberta de novos corpos celestes.

Rosa Castro terapeuta durante o dia e astrônoma amador, se juntou ao projeto de ciência cidadã Backyard Worlds: Planet 9, financiado pela NASA (esse do nome estranho). Em sua casa, de noite, terminou seu jantar, abriu seu laptop, e descobriu um novo objeto que não era nem planeta nem estrela.  Ela iria se tornar um dos quatro voluntários para ajudar a identificar primeira anã marrom do projeto mantido pela Nasa.

Tem cerca de duas décadas desde que os pesquisadores descobriram as primeiras anãs marrons, e que a comunidade científica abriu os olhos para esta nova classe de objetos entre estrelas e planetas.

Embora sejam tão comum como estrelas e forma mais ou menos da mesma maneira, as anãs marrons não possuem a massa necessária para sustentar as reações de fusão nuclear. Elas, portanto, não têm a energia para manter a sua luminosidade, então eles lentamente arrefecer ao longo de suas vidas. Suas temperaturas baixas também torná-los intrinsecamente fraca.

Uma anã marrom (português brasileiro) ou anã castanha (português europeu) é um corpo celeste de baixa luminosidade que não consegue iniciar a fusão do hidrogênio em seu núcleo. Sendo que a sua massa é superior à de um planeta, mas não tão massiva quanto a de uma estrela, as anãs marrons são consideradas estrelas fracassadas. Por causa dessa característica são vistas como o “elo perdido” entre planetas gigantes gasosos e estrelas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEC vai oferecer 80 mil vagas de residência pedagógica em 2018

Como resposta de criança a exercício escolar provocou debate que mobilizou até ‘guardiões da língua espanhola’

Tiros em escola de Goiânia provoca pânico