Brincando com fogo nuclear


A Coreia do Norte defendeu nesta terça-feira (29) o direito à autodefesa e afirmou que continuará com a sua política de "dissuasão nuclear", horas após lançar um míssil que passou acima do Japão, em um ato que foi rapidamente condenado pela comunidade internacional.

"Temos razão de responder com medidas duras no exercício do nosso direito à autodefesa e os Estados Unidos serão inteiramente responsáveis pelas consequências", disse o embaixador norte-coreano perante a Conferência de Desarmamento, Han Tae-song.

O míssil balístico disparado pela Coreia do Norte sobrevoou a ilha de Hokkaido, no norte do arquipélago japonês, e caiu em águas do Oceano Pacífico, a cerca de 1.180 quilômetros da costa japonesa, segundo informações oficiais de Tóquio.

De acordo com Han Tae-song, a tensão nuclear na Península da Coreia "é o resultado da política hostil dos EUA e do aumento da corrida nuclear contra a Coreia do Norte, que não teve outra alternativa a não ser fortalecer a sua dissuasão nuclear para enfrentar esta ameaça",

O diplomata afirmou que as manobras militares anuais realizadas pelos Estados Unidos e Coreia do Sul "são uma preparação para a guerra e para um ataque preventivo contra o país".

Han Tae-song acusou o Conselho de Segurança da ONU de ter ignorado os pedidos do governo norte-coreano para discutir essas manobras e para que ameace os dois países.

O representante da Coreia do Norte insistiu que qualquer ação de seu país será "em defesa própria, da soberania e do direito a existir".

"Os exercícios militares conjuntos de EUA e Coreia do Sul geram tensão na península e fazem caso omisso às advertências da Coreia do Norte, em um ato fanático que põe mais lenha na fogueira", sustentou o representante de Pyongyang.

O presidente Donald Trump afirmou terça-feira (29), antes de viajar para o Texas na visita à região atingida pelo Furacão Harvey, que "todas as opções estão sobre a mesa", em resposta ao lançamento de um míssil balístico de médio alcance pela Coreia do Norte, que cruzou o espaço aéreo do Japão, antes de cair no mar do Pacífico. 

No texto, Trump diz que a Coreia do Norte mostrou desrespeito pelos vizinhos e que as ameaças e ações desestabilizadoras do país só aumentam seu isolamento na região e no mundo.

Os aliados Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão consideraram o lançamento do míssil pelo governo norte-coreano  uma “ameaça sem precedentes”. Para avaliar a situação, as missões diplomáticas já convocaram reunião de emergência no Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU).

Os principais líderes mundiais reagiram. Em uma reunião com diplomatas, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que está pronto para se juntar a outros membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas para levar o governo norte-coreano à mesa de negociações.

O chanceler russo, Sergey Lavrov, por sua vez, afirmou que o lançamento do míssil é extremamente preocupante e que a Coreia do Norte deve interromper as provocações e obedecer às resoluções da ONU.

A China, principal aliada da Coreia do Norte, reafirmou que pressão da ONU não vai resolver o problema. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse que a única maneira de resolver a questão é negociar. Desde o início da escalada das tensões entre Estados Unidos e Coreia do Norte, a China tem defendido a aproximação e o diálogo e pedido às partes envolvidas, mais cautela e disposição para resolver as diferenças de maneira pacífica.

Alerta no Japão

A reação na península coreana foi imediata. Após o lançamento, a Coreia do Sul divulgou imagens de testes de mísseis que também estaria produzindo e fez exercícios com aviões-caça.

No Japão, o lançamento do míssil causou pânico: o sistema de alerta do governo foi ativado para que residentes se protegessem, depois que foi detectado o míssil lançado pela Coreia do Norte.

Em vídeos compartilhados por usuários de redes sociais no Japão, é possível ouvir sirenes e avisos de alto-falante. Além disso, as emissoras de televisão e rádio interromperam a programação para o alerta, e os serviços de trem-bala foram temporariamente interrompidos.

O míssil foi disparado por volta das 5h58, no horário do Japão, começo da noite no Brasil, e voou sobre o território japonês, até cair no mar do Pacífico, aproximadamente 14 minutos depois, a cerca de 1,8 mil quilômetros no extremo Nordeste do país.

Foi o décimo terceiro míssil lançado pela Coreia do Norte neste ano.

China pede diálogo, pois acredita que sanções não solucionarão crise coreana

A China pediu o diálogo para encerrar a crise dos testes com armas feitos pela Coreia do Norte, pois considera que as sanções ao país não terão efeito.

"Os fatos demonstraram que a pressão e as sanções não podem resolver o problema", afirmou, em entrevista coletiva, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

Portanto, "as únicas vias de saída são o diálogo e as consultas", afirmou Hua, horas depois de a Coreia do Norte fazer o lançamento de um míssil que sobrevoou o Norte do Japão.

A porta-voz lembrou que a China se opõe aos programas nucleares e balísticos da Coreia do Norte, mas afirmou os Estados Unidos (EUA) e a Coreia do Sul realizaram manobras militares e exerceram pressão militar" sobre o país. "A China propõe conversações de paz, enquanto outros realizam exercícios militares" destacou.

Nesse sentido, a porta-voz reiterou a proposta feita pela China de "suspensão dupla", pela qual os EUA e a Coreia do Sul proporiam parar com as manobras, em troca de a Coreia do Norte não realizar mais testes balísticos e nucleares. Essa suspensão dupla "é o enfoque mais factível e viável nas atuais circunstâncias", acrescentou.

Hua Chunying lembrou que, embora a China considere que as sanções não são a solução para a crise, está implementando as resoluções da Organização das Nações Unidas contra a Coreia do Norte como um todo.


Diante de uma possível resposta dos EUA ao novo desafio norte-coreano, Hua advertiu que "todas as partes envolvidas devem evitar ações que possam gerar uma escalada de tensão".

Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia

ACORDO DO CLIMA: OS DESAFIOS PARA O BRASIL

DAVID HARVEY: 9 LIVROS PARA DOWNLOAD