O recuo da Coreia do Norte


Coreia do Norte suspende planos para atacar ilha de Guam


A Coreia do Norte reduziu a tensão com os Estados Unidos ao suspender por tempo indeterminado seus planos de atacar com mísseis a ilha de Guam, no Pacífico, onde os Estados Unidos têm uma base militar. As informações são da agência de notícias Télam.

O líder norte-coreano Kim Jong-un vai avaliar agora "por um período mais longo" o comportamento dos Estados Unidos antes de reagir, informou a agência oficial de notícias KCNA.

"Os Estados Unidos deveriam, inicialmente, tomar a decisão acertada e provar, por seu comportamento, que querem reduzir as tensões e evitar um conflito militar perigoso na península coreana", disse Kim.

Kim Jong-un afirmou, no entanto, que, caso Washington mantenha "suas ações extremamente perigosas na península coreana", não hesitará em tomar imediatamente uma decisão "importante".


Coreia do Norte diz que tem quatro mísseis para atacar bases dos EUA em Guam


A Coreia do Norte voltou a ameaçar hoje (data local) um ataque às bases americanas na ilha de Guam. O governo afirmou que tem quatro mísseis de alcance médio preparados e apontados nessa direção para serem lançados após a ordem do líder norte-coreano, Kim Jong-un. A informação é da Agência EFE.

O Exército norte-coreano "está examinando seriamente o plano" para executar um ataque com quatro mísseis Hwasong-12, de categoria média, contra Guam, "um forte sinal de advertência aos Estados Unidos", informou a agência estatal norte-coreana KCNA em comunicado.

Esse plano "será concluído em meados de agosto e será levado ao comandante-em-chefe (Kim Jong-un) das forças nucleares da DPRK (sigla em inglês de República Democrática Popular da Coréia, nome oficial do país) para esperar suas ordens", afirmou o comandante das Forças Estratégicas norte-coreanas, Kim Rak-Gyom.

O governo norte-coreano manteve assim a queda de braço com Washington. Na véspera, a tensão entre os dois países aumentou, com a ameaça da Coreia do Norte de atacar Guam após a advertência feita pelo presidente americano.

Trump disse na terça-feira (8) que o país asiático "encontrará fúria e fogo jamais vistos no mundo" se não deixar de ameaçar os EUA e, após a resposta norte-coreana, o Pentágono decidiu enviar dois bombardeiros estratégicos B-1B (estacionados em Guam) aos arredores da península da Coreia.

No comunicado de hoje, o militar norte-coreano acusa o presidente americano de "disparar um montão de bobagens", e de "não ser capaz de entender a gravidade da situação".

A Coreia do Norte "continuará observando atenciosamente as declarações e o comportamento dos Estados Unidos", acrescenta a nota.
Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia

ACORDO DO CLIMA: OS DESAFIOS PARA O BRASIL

DAVID HARVEY: 9 LIVROS PARA DOWNLOAD