Dê sua opinião: projeto acaba com a aprovação automática nas escolas


Começou a tramitar no Senado o Projeto de Lei do Senado 336/2017, que proíbe a chamada “progressão continuada” e torna obrigatório para todas as escolas a realização de avaliações de desempenho dos alunos para que eles possam avançar de série. De autoria do senador Wilder Morais (PP-GO), o projeto será examinado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) onde terá decisão terminativa. Se aprovado, poderá seguir para a Câmara dos Deputados, sem passar pelo Plenário do Senado, a menos que seja apresentado recurso com esse objetivo.

De acordo com o autor, o projeto visa acabar com o que ele considera um grande equívoco da educação brasileira. Segundo Wilder Morais, a progressão continuada, que começou a ser adotada em diversos sistemas de ensino a partir da década de 1990, acabou se transformando em promoção automática, sem necessidade de avaliação, o que se tornou a origem de muitos outros problemas da educação no país.

O argumento usado a favor da progressão continuada, lembra o senador, era o respeito ao ritmo de desenvolvimento psicossocial e de aprendizagem dos alunos, permitindo que cada um aprendesse no próprio tempo, sem obrigá-los a repetir séries por eventual mal desempenho. O fim da repetência levaria à queda da evasão escolar. No entanto, o que ocorreu, afirma Wilder Morais, foi a “deslegitimação da escola como espaço de aprendizagem”. Assim, diz o senador, impossibilitados de avaliar os alunos, os professores passaram a ser desrespeitados e mesmo agredidos. Além disso, afirma, a qualidade do ensino acabou caindo, prejudicando também os alunos.

O projeto muda a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – Lei 9.394/1996) para acrescentar no artigo 23, que trata da organização da educação em séries ou grupos não seriados, a obrigatoriedade de ser respeitada “a promoção em cada série ou ano conforme o aproveitamento do aluno aferido pelo professor responsável”.

A Câmara dos Deputados aprovou em agosto um projeto de teor semelhante, o PL 8.200/2014, que ainda não foi remetido ao Senado.


Qual a sua opinião sobre o projeto? Vote: http://bit.ly/PLS336-2017

Deixe também um comentário seu, aqui em nosso blog. Socialize.

Fonte: Agência Senado

Comentários

  1. Totalmente a favor.O sistema nos obriga e depois se isenta da culpa do fracasso educacional brasileiro,transferindo -o à nós professores.Chega! Queremos trabalhar e avaliar com qualidade.

    ResponderExcluir
  2. A questão é que o eventual mal desempenho não é eventual! E na passagem de um ano para outro, a eventual correção do problema sequer será eventual.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

MEC vai oferecer 80 mil vagas de residência pedagógica em 2018

Como resposta de criança a exercício escolar provocou debate que mobilizou até ‘guardiões da língua espanhola’

Tiros em escola de Goiânia provoca pânico