Tratados de Não Proliferação Nucelar


Fonte: Marie-Françoise Durand e outros. Atlas da mundialização. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 92. (*) O Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) visa a reduzir o risco de proliferação de armas nucleares, de alto poder destrutivo.

O tratado de não proliferação nuclear concedeu o direito aos países dotados de armas nucleares antes de 1967 (EUA, Rússia, França, China e Reino Unido) a manter seus arsenais nucleares. Estes se comprometeram a não auxiliar outros países a adquirir ou desenvolver armamento nuclear.

Alguns países se destacam na produção e venda de armas, como Estados Unidos, Rússia, França e Reino Unido. Portanto, eles dependem da existência de conflitos
ou de investimentos dos países no setor bélico para movimentar esse campo de produção. Entre os grandes compradores estão Índia, China e países europeus.

Os países exportadores dependem da existência de conflitos ou de investimentos dos países no setor bélico para movimentar esse campo da produção.

Entre os grandes importadores estão países envolvidos em zonas de tensão e potenciais conflitos, como a Índia e o Paquistão. A China vem equipando suas forças armadas, uma forma de projeção do poder e pretensões do país na arena internacional.

A Coreia do Norte detém artefatos nucleares, o que mobiliza os Estados Unidos e outros países ocidentais a tornarem públicas suas contestações ao regime comunista norte-coreano.

Fonte: Geografia: um olhar sobre o espaço mundial, 9º ano / Fernanda Padovesi Fonseca... [et al.]. -- 1. ed. -- São Paulo: Editora AJS, 2012. (Coleção geografia).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia

ACORDO DO CLIMA: OS DESAFIOS PARA O BRASIL

DAVID HARVEY: 9 LIVROS PARA DOWNLOAD