70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia


Foto: Reprodução Internet

O vídeo acima mostra, através de computação gráfica, um modelo de como teria se formado os Himalaias iniciado ha cerca de 70 milhões de anos.

Numa perspectiva bastante interessante o filme mostra o desenrolar geológico  de 70 milhões de anos em apenas 2 minutos. Um bom pretexto para se discutir tempo geológico.

Os Himalaias são a mais alta cadeia montanhosa do mundo, localizada entre a planície indo-gangética, ao sul, e o planalto tibetano, ao norte. A cordilheira abrange cinco países (Paquistão, Índia, China (que inclui o Tibete), Nepal e Butão) e nela se situa a montanha mais alta do planeta, o Monte Everest. O nome Himalaia vem do sânscrito e significa "morada da neve". Os Himalaias espalham-se, de oeste para leste, do vale do rio Indo ao vale do rio Bramaputra, formando um arco de cerca de 2500 km de extensão e com uma largura variando de 400 km no oeste, na região da Caxemira-Tibete, a 150 km no leste, na região do Tibete-Arunachal Pradesh. 

Os Himalaias estão entre as formações montanhosas mais jovens do planeta. De acordo com a moderna teoria das placas tectônicas, sua formação é resultado de uma colisão continental, ou então, pelo processo de orogenia (isto é, processo de formação de montanhas) entre os limites convergentes entre as placas Indo-australiana e da Eurásia. A colisão iniciou-se no Cretáceo Superior há cerca de 70 milhões de anos, quando a placa Indo-australiana se moveu rumo ao norte e colidiu com a placa da Eurásia. Há cerca de 50 milhões de anos, com a movimentação rápida da placa Indo-australiana, a junção já havia se estabelecido. Entretanto, a placa, continua a movimentar-se horizontalmente para baixo do planalto do Tibete, forçado a ascendência do planalto. As montanhas de Arakan-Yoma em Mianmar e as ilhas Andamão e Nicobar na Baía de Bengala também se formaram em decorrência dessa colisão.

A placa Indo-australiana ainda se move numa proporção de 67 mm/ano, e nos próximos dez milhões de anos avançará cerca de 1 500 km para o interior da Ásia. Cerca de 20 mm/ano da convergência da Índia com a Ásia é absorvida pelo empuxo ao longo da frente sul dos Himalaias. Isto, leva os Himalaias a elevar-se cerca de 5 mm/ano; fazendo com que eles sejam geologicamente ativos. O movimento da placa indiana em direção à placa asiática, também faz esta região ser sismicamente ativa, induzindo terremotos periodicamente. (Fonte: Wikipédia).

Para saber um pouco mais sobre os Himalaias clique aqui.

Comentários

  1. MARAVILHOSO!
    Sou professor de Geologia Histórica e trabalho com formação da crosta terrestre à luz da Tectônica de Placas Wegeneriana. Bela contribuição para minhas aulas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que estamos contribuindo! Obrigado pela confiança.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência é criticada na CDH

DAVID HARVEY: 9 LIVROS PARA DOWNLOAD

Violência nas escolas não é caso de polícia, afirmam especialistas