Desmatamento pode ser causa de crise hídrica, diz especialista


Foto: Pixabay
A Comissão de Meio Ambiente (CMA) realizou, nesta terça-feira (31), audiência pública para debater a revitalização de bacias hidrográficas, política pública que os senadores acompanham ao longo deste ano.

Representante do Instituto Aplysia, Tatiana Furley apresentou a restauração fluvial promovida pelo projeto Renaturalize no Espírito Santo.

— Refere-se a medidas ecológicas, físicas, espaciais e de gestão, destinadas a restabelecer o estado natural e funcional do rio, com objetivo de melhorar a qualidade da água, do sedimento, da biodiversidade, da recreação, gestão de inundações e desenvolvimento da paisagem — afirmou.

Tatiana explicou que a restauração de rios é cada vez mais comum na Europa e apresentou detalhes do trabalho que está sendo feito pelo instituto no Rio Mangarai. Segundo ela, há hoje cerca de 800 casos de restauração de rios na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá, a exemplo do que está sendo feito no Brasil pelo instituto.

Já o professor Apolo Lisboa, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explicou que a crise hídrica que vivemos hoje é fruto de 30 anos de mau uso das águas subterrâneas.

— A conta apareceu agora e você não vai resolver isso rapidamente, porque serão necessários anos e anos de chuva para repor o estoque que foi dilapidado de forma irresponsável, provocando o que chamamos hoje de novo fenômeno da seca — a seca subterrânea — explicou.

O professor defendeu o desmatamento zero como única solução para a falta de água crônica, um problema cada vez mais frequente em nosso país.

— Esse projeto "Brasil celeiro do mundo", que transformou o cerrado numa monocultura extensiva,  permitiu irrigação com poços profundos tubulares, retirando água de alguns rios de uma maneira descontrolada. Nós destruímos o cerrado, por isso o rio São Francisco está secando — criticou.

Fonte: Agência Senado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

70 milhões de anos em 2 minutos: a formação do Himalaia

Pesquisa mostra queda no interesse por cursos de licenciatura