Pular para o conteúdo principal

SEJA UM DOADOR

Desmatamento pode ser causa de crise hídrica, diz especialista


Foto: Pixabay
A Comissão de Meio Ambiente (CMA) realizou, nesta terça-feira (31), audiência pública para debater a revitalização de bacias hidrográficas, política pública que os senadores acompanham ao longo deste ano.

Representante do Instituto Aplysia, Tatiana Furley apresentou a restauração fluvial promovida pelo projeto Renaturalize no Espírito Santo.

— Refere-se a medidas ecológicas, físicas, espaciais e de gestão, destinadas a restabelecer o estado natural e funcional do rio, com objetivo de melhorar a qualidade da água, do sedimento, da biodiversidade, da recreação, gestão de inundações e desenvolvimento da paisagem — afirmou.

Tatiana explicou que a restauração de rios é cada vez mais comum na Europa e apresentou detalhes do trabalho que está sendo feito pelo instituto no Rio Mangarai. Segundo ela, há hoje cerca de 800 casos de restauração de rios na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá, a exemplo do que está sendo feito no Brasil pelo instituto.

Já o professor Apolo Lisboa, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explicou que a crise hídrica que vivemos hoje é fruto de 30 anos de mau uso das águas subterrâneas.

— A conta apareceu agora e você não vai resolver isso rapidamente, porque serão necessários anos e anos de chuva para repor o estoque que foi dilapidado de forma irresponsável, provocando o que chamamos hoje de novo fenômeno da seca — a seca subterrânea — explicou.

O professor defendeu o desmatamento zero como única solução para a falta de água crônica, um problema cada vez mais frequente em nosso país.

— Esse projeto "Brasil celeiro do mundo", que transformou o cerrado numa monocultura extensiva,  permitiu irrigação com poços profundos tubulares, retirando água de alguns rios de uma maneira descontrolada. Nós destruímos o cerrado, por isso o rio São Francisco está secando — criticou.

Fonte: Agência Senado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

MUNDO HEMISFÉRIOS PARA COLORIR