Pular para o conteúdo principal

SEJA UM DOADOR

Como a COVID-19 irá afetar as economias na América Latina e no Caribe?

A pandemia da COVID-19 ameaça a estabilidade macroenonômica na América Latina e no Caribe, região que possui importantes laços com a China, que deve ter uma ruptura no ritmo de crescimento econômico. A avaliação é do diretor regional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luis Felipe López-Calva, em artigo de opinião.


A pandemia da COVID-19 ameaça a estabilidade macroenonômica na América Latina e no Caribe, região que possui importantes laços com a China, que deve ter uma ruptura no ritmo de crescimento econômico. A avaliação é do diretor regional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luis Felipe López-Calva, em artigo de opinião com dados do dia 12 de março.

Leia a análise completa:

A pandemia da COVID-19 é a nova forma em potencial de volatilidade e ameaça da estabilidade macroeconômica na América Latina e no Caribe. Enquanto ainda é muito cedo para entendermos completamente o impacto no crescimento econômico da China e como isso resultará na diminuição do crescimento em nossa região, o que sabemos até agora é que a COVID-19 está se espalhando de forma acelerada e causando uma ruptura no ritmo de crescimento chinês.

O vírus se espalhou para mais de 117 países, com mais de 117.335 casos confirmados*. É bem provável que o impacto no crescimento econômico da China e o preço das commodities representem um choque em nossa região.

A América Latina e o Caribe têm laços importantes com a China, as relações econômicas cresceram vertiginosamente nas décadas recentes, particularmente por meio do comércio, investimentos estrangeiros diretos e empréstimos.

O comércio com a China cresceu de 12 bilhões de dólares em 2000 para 306 bilhões de dólares em 2018, e o país já é o nosso segundo maior parceiro. Três anos atrás, representava 9% das exportações totais da América Latina e 18,4 % da importação total. No entanto, os números não são os mesmos em todos os países. A China, por exemplo, representa 28,1%  das exportações brasileiras, assim como 10,5% das exportações argentinas e 32,4% das exportações chilenas. Mesmo que a China importe principalmente produtos primários, como minérios e metais, produtos agrícolas e combustíveis, suas exportações consistem também em equipamentos elétricos e máquinas, produtos têxteis e químicos.

Os seis principais parceiros de comércio dos chineses na região são o Brasil, a Argentina, o Chile, o Peru, a Colômbia e a Venezuela, cujas exportações estão concentradas em quatro produtos, que representam 75%  das exportações da América Latina: cobre, soja, petróleo bruto e minério de ferro.

Investimentos diretos estrangeiros e empréstimos da China cresceram na última década. Entre 2005 e 2017, a China representava 5%  do investimento estrangeiro direto – mais de 90 bilhões de dólares. De acordo com o Centro de Políticas de Diálogos Interamericano, a China emprestou mais de 141 bilhões de dólares desde 2005, o que representa mais do que o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Banco de Desenvolvimento da América Latina juntos. A Venezuela, de longe, é quem mais recebe esses empréstimos, com um total de 67,2 bilhões de dólares desde 2005, seguido do Brasil, com 28,9 bilhões de dólares, Equador com 18,4 bilhões de dólares e Argentina com 16,9 bilhões de dólares. Mesmo que a avaliação do impacto do coronavírus dependa principalmente de como a epidemia será contida, é esperada uma diminuição no crescimento do país no primeiro trimestre e uma recuperação nos meses seguintes. Enquanto a China tinha um crescimento estimado de 6% s para 2020, diversos analistas revisaram suas projeções para baixo, entre 5% e 4,5%. 

Esses choques certamente afetarão o comércio, os preços das commodities e o investimento direto estrangeiro na América Latina e no Caribe. Em termos de comércio, uma diminuição na demanda chinesa por bens e serviços terá forte impacto em países como Brasil, Chile e Peru. Argentina, Colômbia e Equador também sentirão o impacto em menor escala.

A história mostra que, na América Latina e no Caribe, a volatilidade é norma e não exceção, e que as trajetórias de desenvolvimento dos países não são lineares. A volatilidade veio à tona com a COVID-19, testando a resiliência aqui e na China e a habilidade de retornar a caminhos anteriores de desenvolvimento no menor tempo possível. Além do pânico disseminado, a COVID-19 é um chamado para a resiliência na América Latina e no Caribe.

Luis Felipe López-Calva é Diretor Regional do PNUD para a América Latina e o Caribe

(*) Artigo publicado originalmente em 12 de março de 2020.
Fonte: ONU - Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

MUNDO HEMISFÉRIOS PARA COLORIR