Pular para o conteúdo principal

SEJA UM DOADOR

[Para discutir] Capitalismo


Imagem: Reprodução Internet

O fragmento abaixo foi extraído de APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. Tradução Vinicius Figueira. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 71.
Nosso sistema econômico está organizado de uma forma que pode criar apenas uma certa quantidade de empregos e ainda manter alto lucro para as empresas ou corporações. Na essência, o aparato econômico estará na sua condição mais eficiente quando houver um índice de desemprego de aproximadamente 4 a 6% (embora saibamos que esse índice é notoriamente impreciso, e ao qual devemos também acrescentar a questão de índices bem mais altos para os negros, além de altos níveis de subemprego e de trabalho não-remunerado se considerarmos as muitas mulheres que atuam como donas de casa). Oferecer trabalho útil a esses indivíduos requereria um corte para taxas aceitáveis de retorno financeiro e provavelmente exigiria pelo menos a reorganização parcial dos assim chamados “mecanismos de mercado” que rateiam os empregos e os recursos. Por causa disso, não seria errado usar uma metáfora para descrever nosso sistema econômico como gerador natural de níveis especificáveis de subemprego e de desemprego*. Podemos pensar nesse modelo como aquele que é primeiramente voltado à maximização da produção de lucro e apenas secundariamente com a distribuição de recursos e de emprego.

* Andrew Hacker, “Cutting Classes”, New York Review of Books, XXIII (maio, 1976), p. 15. Hacker observa que, em uma situação de empregabilidade total, nossa economia pode usar, de modo profícuo, apenas cerca de 43% da população que esteja na faixa etária de trabalho. Não é lucrativo usar índice superior. “As pessoas que integram os 57% restantes, ou parte delas, tornam-se donas-de-casa, estudantes universitários ou aposentam-se com pensões modestas. Outros, no entanto, são obrigados a viver na pobreza, pois o sistema econômico não lhes oferece alternativas.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

MUNDO HEMISFÉRIOS PARA COLORIR