O protecionismo estadunidense


O país que defende o liberalismo (para os outros) acaba de reaafirmar o ditado que diz "façam o que digo, mas não façam o que faço". Para os Estados Unidos a política do Estado mínimo só serve se ele (os EUA) tiverem alguma vantagem,, caso contrário o que praticam (sem defender para o resto do mundo) é exatamente um Estado controlador e regulador da economia.

Prova desse Estado mínimo às avesssas é o mais novo pacote de tarifas no valor de US$ 200 bilhões impostas pelos Estados Unidos para a China que entrou em vigor hoje (24) e ameaça aumentar ainda mais a guerra comercial entre ambas as potências.

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, há uma semana ordenou a imposição destas tarifas - de 10% no valor de US$ 200 bilhões - a produtos chineses. Não há como negar que Estados Unidos e China estão em ativa guerra comercial e pelas ações do governo americano não existe, no horizonte próximo, uma indicação de que esta política intervencionista e protecionista irá se reverter.

O que tudo indica é que o governo estadunidense não tem intenção de frear as políticas comerciais em relação à China e, claro, a China, atual segunda potência econômica mundial, não irá ficar de braços cruzados observando os movimentos protecionistas daquele que se apresenta como o seu maior rival geopolítico mundial.

O texto que aqui exponho pode ser utilizado como porta de entrada para se discutir em sala de aula as ações estadunidenses no cenário geopolítico mundial e suas consequências para o Brasil.

Caso você tenha algum complemento que possa colaborar com este texto socialize utilizando os comentários deste post. Socialize seus conhecimentos, socializar faz bem! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da rede pública e privada serão imunizados contra a gripe neste ano

Os continentes

Violência nas escolas não é caso de polícia, afirmam especialistas