As novas luas de Júpiter


Doze novas luas orbitando Júpiter foram encontradas - 11 luas externas “normais”, e uma que eles chamam de “excêntrica”. Isso leva o número total de luas conhecidas de Júpiter a 79 - o máximo de qualquer planeta. em nosso sistema solar.

Uma equipe de astrônomos avistou as luas pela primeira vez na primavera de 2017, enquanto procurava por objetos muito distantes do Sistema Solar, como parte da busca por um possível planeta enorme, muito além de Plutão.

Júpiter é o planeta com o maior número de luas do Sistema Solar, e a lista de objetos circulando a órbita do gigante gasoso acaba de ficar ainda maior com a descoberta de 12 novos satélites ao seu redor.

Nove das novas luas fazem parte de um enxame externo distante de luas que a orbitam na direção retrógrada ou oposta da rotação de rotação de Júpiter. Essas luas retrógradas distantes são agrupadas em pelo menos três agrupamentos orbitais distintos e acredita-se que sejam remanescentes de três corpos parentes outrora maiores que se separaram durante colisões com asteróides, cometas ou outras luas. As recém-descobertas luas retrógradas levam cerca de dois anos para orbitar Júpiter.



Duas das novas descobertas fazem parte de um grupo íntimo de luas que orbitam no prograde, ou na mesma direção que a rotação do planeta. Todas essas luas internas têm distâncias orbitais e ângulos de inclinação semelhantes em torno de Júpiter, e por isso também são fragmentos de uma lua maior que foi quebrada. Essas duas luas recém-descobertas levam pouco menos de um ano para viajar em torno de Júpiter.



Outra descoberta é um verdadeiro excêntrico e tem uma órbita como nenhuma outra lua joviana conhecida, ela orbita em direção contrária às outras luas e também é a menor lua conhecida de Júpiter, com menos de um quilômetro de diâmetro.




Esta nova lua excêntrica é mais distante e mais inclinada que o grupo progressivo de luas e leva cerca de um ano e meio para orbitar Júpiter. Assim, ao contrário do grupo de luas  mais próximo, esta nova lua excêntrica tem uma órbita que atravessa as luas retrógradas exteriores. Como resultado, as colisões frontais são muito mais prováveis ​​de ocorrer entre a lua “excêntrica” e as luas que estão se movendo em direções opostas.

A equipe de astrônomos acha que essa pequena lua “excêntrica” pode ser o remanescente de uma lua em órbita que já formou uma vez, formando alguns dos agrupamentos de lua durante colisões frontais passadas. Diversas colisões ao longo de milhares ou milhões de anos podem ter dividido grandes luas em pequenas rochas que agora circundam o planeta. O nome Valetudo foi proposto para ele, depois da bisneta do deus romano Júpiter, a deusa da saúde e da higiene.

A descoberta ainda precisa ser avaliada e confirmada pela União Astronômica Internacional, grupo responsável por oficializar e batizar novos astros no Sistema Solar e além.

E você caro leitor o que achou dessa descoberta? Você acredita que a humanidade, um dia, irá conseguir habitar outros planetas ou luas, ideia que já foi explorada em filmes de ficção científica? Deixe seu comentário aqui no Blog.

Fonte:carnegiescience.edu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Países-Membros da ONU

BRASIL: A organização político-administrativa